publicidade

publicidade

sábado, 18 de abril de 2020

Governo do Estado dialoga com bancos em busca de soluções de crédito para empresas

                  Simplício Araújo em reunião com os representantes dos bancos (Foto: Divulgação)
Gestores da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc) se reuniram nesta sexta-feira (17) para dialogar com instituições bancárias sobre alternativas para minimizar os impactos econômicos causados pela pandemia da Covid-19, no âmbito das pequenas e micro empresas.
Durante a reunião, que contou com a participação dos superintendentes do Banco do Brasil, Evandro Souza Mendes; da Caixa Econômica Federal, Silvia Leandra Pelloso; do Banco da Amazônia, Diego Santos Lima; e Banco do Nordeste, Hailton José Fortes, foram debatidos pontos como linhas de crédito, recursos para a preservação de empregos, capital de giro das empresas, financiamento imobiliário e carência para servidores que possuem empréstimos consignados. 
As pautas foram sugeridas pelo secretário da Seinc, Simplício Araújo. Segundo ele, pausas e renegociações precisam ser discutidas diante do atual quadro econômico em decorrência da pandemia. 
“Estamos buscando as instituições financeiras para encontrar caminhos e alternativas que possam ajudar micro, pequenas, médias e grandes empresas no Maranhão, além da população. Temos como exemplo de avanço nos consignados de servidores estaduais”, disse Simplício.
Para os servidores públicos estaduais, o Banco do Brasil, após a proposta do secretário Simplício Araújo, está oferecendo carência de 180 dias para quem quer renovar o consignado, com direito a troco se o servidor tiver margem. Outra medida está relacionada ao canal virtual do banco voltado para atender empresários. 
Já o Banco do Nordeste está oferecendo microcrédito para micro e pequenas empresas, com um recurso estimado em R$ 3 bilhões disponíveis a uma taxa de 2,5% ao ano, considerada a menor do país. Para operações de capital de giro, o valor chega até R$ 100.000,00 e investimentos de R$ 200.000,00 com 12 meses de carência. Essa é uma linha de crédito especial com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).
Videoconferência com superintendentes de bancos (Foto: Divulgação)
A Caixa está com a carência de 6 meses, adiando a primeira parcela para quem adquirir um imóvel. Para quem tem um financiamento em andamento ou possui um financiamento, poderá negociar com o banco o pagamento parcial das parcelas ou uma suspensão das cobranças por até 3 meses. 
No Banco da Amazônia, por meio do Fundo Constitucional Norte (FNO), está ofertando taxas menores, maiores prazos para pagamento e isenção de impostos sobre operações financeiras (IOF). Para Micro e Pequena Empresa, constituída há mais de 2 anos, o banco financia a aquisição de imóveis para 
ampliação, localização e relocalização da empresa, com o prazo de até 15 anos para pagar.

Em todas as operações, haverá análise de crédito.